terça-feira, 25 de setembro de 2012

A importância do brincar para o desenvolvimento e aprendizagem da criança de 0 a 6 anos: uma experiência na comunidade JK.

INTRODUÇÃO
O brincar faz parte da vida do ser humano, em especial da vida da criança, e apesar dessa atividade ter sido vista como algo sem importância, hoje, é um assunto que tem conquistado espaço nas mais diversas áreas de conhecimento. É preciso refletir sobre a necessidade de se inserir uma metodologia ativa baseada em brinquedos e brincadeiras, considerando a idade da criança e o processo de construção do conhecimento, respeitando-se assim sua predisposição natural, pois criatividade e autonomia se desenvolvem quando se propicia à criança um ambiente familiar e escolar que favorecem essas características.A consciência de que a fase decisiva para a criança conquistar uma aprendizagem efetiva é a que antecede o ensino fundamental, tem levado um número crescente de estudiosos a propor que a criança seja atendida mais cedo, como única solução para poder compensar as desvantagens que atingem as crianças mais pobres, dando-lhes melhores chances de sucesso quando mais tarde, entrarem na escola.Diante disso, o atendimento da criança de zero a seis anos intensificou-se com a LDB – 1996, onde o Ministério da Educação e do Desporto propôs um documento intitulado Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil, que tem como objetivo servir de referência para a elaboração dos currículos e a definição dos conteúdos básicos para Creches e Pré-escolas, além de oferecer subsídios para o trabalho do professor. Desta maneira, o voluntariado de pessoas preocupadas com o bem comum, tem levado alegria a muitas crianças e famílias acompanhadas que através de atividades tem ampliado a compreensão dos pais sobre o desenvolvimento e a educação dos seus filhos.A proposta da Pastoral da Criança que desde a fundação em 1983, vem aprimorando o acompanhamento às crianças menores de seis anos, tem a intenção de atuar com uma abordagem integral do desenvolvimento da criança com relação a ações básicas de saúde e nutrição desde o ventre materno até os seis anos de idade, apresentando sugestões de como abordar o assunto com os pais, envolvendo as famílias, e comunidades mais carentes.No campo educacional elaborou-se então um programa específico que se denominou Educação Essencial, onde o objetivo é oferecer à criança as condições essenciais ao seu desenvolvimento, no âmbito familiar, sem a preocupação de organizar serviços formais como creches ou pré-escolas.Nesse programa, as voluntárias aproveitam para debater com os participantes temas como a importância do brincar, a necessidade de oferecer brinquedos e brincadeiras que serão antes de tudo, estimuladores do seu desenvolvimento e tem como objetivo sensibilizar as famílias para a importância da atividade lúdica para a criação de laços afetivos entre as gerações.À medida que as experiências passam a enriquecer as comunidades e famílias, vão oferecendo novas oportunidades de desenvolvimento para as crianças de baixa renda. Já não dá mais para esconder o estrondoso fracasso escolar que as estatísticas revelam com as crianças de diferentes meios sócio-culturais. As crianças pobres são, na maioria, excluídas da escola sem ter aprendido nada de útil para sua vida e seu trabalho, considerando-se como inferiores aos outros, ou seja, aos que tem sucesso. Os problemas, as dificuldades de aprendizagem como a leitura, escrita, cálculos matemáticos, somam-se aos problemas de atividade motora (hiperatividade, hipoatividade, dificuldades de coordenação); atenção (baixo nível de concentração); questões psicológicas (desajustes emocionais leves); memória (dificuldade de fixação); percepção (confusão entre figuras, inversão de letras); sociabilidade (inibição social, agressividade) e também a indisciplina. Então, os alunos estão aí, cheios de problemas e dificuldades. E as escolas? Será que estão preparadas para a demanda de problemas complexos onde estão incluídas inúmeras variáveis? São alunos, professores, organização curricular, metodologia, estratégias, recursos. É importante salientar que a escola deve valorizar os muitos saberes do aluno oferecendo-lhe meios para que se desenvolva, produzindo conhecimentos importantes e necessários para sua vida futura, colocando-o em contato com suas habilidades e dificuldades, despertando sua imaginação e a criatividade. Mas a educação não começa na escola. Ela começa muito antes e é influenciada por vários fatores. Ao longo do seu desenvolvimento físico e intelectual, a criança passa por várias fases nas quais o ambiente familiar, as condições sócio-econômicas, o lugar onde mora e outros, têm uma importância muito grande. A origem da pesquisa partiu de uma experiência em comunidades como voluntária da Pastoral da Criança, bem como o interesse pelo tema: “Brinquedos e Brincadeiras”, da observação e da preocupação com as crianças e sua história de vida na comunidade que está inserida, diante da sua falta de interesse, do sofrimento em resolver problemas propostos. A ação se deu no sentido de provocar uma mudança de fracasso, para uma luta coletiva pelo sucesso na alfabetização e na vida dessas crianças. A pesquisa na Creche foi realizada através de observações, conversas em diversos grupos, em reuniões de pais e algumas palestras. Neste sentido, pretende-se fazer um aprofundamento teórico-prático quanto ao brincar como instrumento favorecedor do processo de aprendizagem e desenvolvimento das crianças de três a seis anos de idade, partindo do questionamento: As crianças de baixa renda de três a seis anos da cidade de Imperatriz, estão tendo acesso a atividades lúdicas como meio através do qual, famílias e escolas contribuem no seu aprendizado e desenvolvimento como um todo? O presente trabalho visa à educação, a cultura e o lazer das crianças da comunidade JK. Para a revisão bibliográfica que subsidiará a elaboração deste, com propostas de diversos teóricos, se usará os métodos histórico-lógico, indutivo-dedutivo, se fará uma investigação de campo, através dos métodos analítico-sintético e qualitativo, a partir de observações e entrevistas, a fim de avaliar a prática da utilização do brincar como suporte de diagnóstico no contexto educacional e familiar da comunidade em questão. O trabalho apresenta a partir daí algumas ações que poderão servir de exemplos a serem analisados pelas instituições que realizam trabalho educativo com um público similar ao deste estudo e que poderão ser utilizados pelas mesmas. Dessa forma, abordaremos o lúdico no contexto do diagnóstico psicopedagógico sem desconsiderar seu papel no processo de intervenção/prevenção. O objetivo principal aqui é analisar qual a contribuição dos brinquedos e brincadeiras no desenvolvimento do processo de aprendizagem da criança, bem como diagnosticar como as famílias de baixa renda concebem e vivenciam o brincar; relacionar o ato de brincar e o ato de aprender, analisando os benefícios proporcionados ao desenvolvimento da criança, propor um conjunto de atividades e objetos lúdicos que devem compor as brinquedotecas e por fim, explorar a riqueza do brincar em uma brinquedoteca como uma forma de exercitar capacidades daqueles que de uma forma ou outra, estão encontrando alguma dificuldade em sua história escolar. O estudo se divide em dois momentos distintosautores que tiveram a preocupação desde a antiguidade com o que se deveria conhecer e entender sobre crianças e seu desenvolvimento; autores que discutem a evolução do aprendizado diante do brincar e a importância do aprender de uma forma prazerosa, e aqueles que têm uma proposta na utilização de atividades lúdicas na educação. São citados também aqueles que vêm buscando uma melhor forma de explorar e inserir brinquedos e brincadeiras no contexto educacional, instigando assim um efeito positivo durante o processo diagnóstico e interventivo.Em seguida, apresenta-se a pesquisa de campo com os dados obtidos

Nenhum comentário:

Postar um comentário